domingo, 25 de julho de 2010

"...entre as aleluias e as agonias de ser..."

Eis que encontro uma frase para começar a colocar pra fora o que aperta meu peito.
E ainda cito mais um pouquinho de Clarice: "Não sei se quero descansar,por estar realmente cansada ou se quero descansar para desistir"
Me sinto assim. Profundamente cansada.
Acho que isso diz: PROFUNDAMENTE.
E não só cansada.
Hoje me sinto especialmente só.
Estou vivendo um momento especial, esperado, lutado, plantado e a porra toda e não posso dividir com a pessoa que mais gostaria simplesmente por não saber se ele vai ter tempo pra me ouvir.
Percebo que sinto falta de compartilhar.
Dividir a vida, as conquistas, a perdas, os sorrisos, as bobagem do dia a dia, a comida, a cama, os sonhos.
E, nesse momento da vida, embora só consiga pensar em uma pessoa para fazer parte disso tudo, percebo o quanto isso me condena a solidão diária, a essa espera que quase sempre se converte num vazio de sentimentos que se conflitam até me deixar oca.
Amo loucamente, como se essa fosse a minha ultima ação em vida, mas já não espero nada e por não esperar nada, pareço nada sentir.
E fico cada vez mais exausta de ir ao céu e inferno com a freqüência das fases da lua.
Não sei por quanto tempo mais eu aguento isso tudo.
Tempo medo de desistir de vez e me deixar esvaziar de tudo, porque sei que quando todo esse vazio for preenchido vai ser difícil encontrar espaço para qualquer traço desse passado presente que eu queria muito que fosse futuro e do qual não consigo me desvincular por achar que sempre foi uma benção.
Ma bençãos não machucam, né?
Talvez essa seja a lição a aprender.
Vai saber.
Vamos levando.
Deus sabe onde é o destino disso tudo.
E além disso, embora não possa dividir, tem uma vida foda acontecendo agora, e como essa parte é mérito meu, eu não vou deixar passar batido de jeito nenhum porque eu tenho certeza, sem modéstia nenhuma, que eu mereço cada minuto de tudo de bom que vem acontecendo!


Nenhum comentário:

Postar um comentário